terça-feira, 15 de setembro de 2015

teologia

teologia

argumentos da exis tência de Deus. Seu princípio de simplici dade conhecido como "navalh a de Ockham" sustentou que "o que pode ser expli cado em menos curso de bacharel em teologia  princípios é expl icado desnecess ariamente por mais" 11, que se tornou um "prodder colocando sistema  teológ ico medieval em desint egração." 12 Por conseguinte, da Europa Ocidental no final do Oriente Idad e perdeu sua confian ça na cosmovisão cristã e teológ ica começou a recorrer a razão.
http://comoreconquistar.net.br/como-reconquistar-uma-mulher/como-reconquistar-a-esposa-em-11-passos/
http://comoreconquistar.net.br/como-reconquistar-uma-mulher/como-reconquistar-um-amor-da-sua-mulher/
http://comoreconquistar.net.br/como-reconquistar-uma-mulher/como-reconquistar-a-ex-mulher-em-11-passos/
http://comoreconquistar.net.br/como-reconquistar-uma-mulher/
Em segundo  l ugar, hel iocentrismo de Copérnico afetou  curso de mestrado em teologia a visão de mundo  dos cien tistas e filós ofos atuais no Renascimen to e geocentrismo da cos movisão teológica  foi seriamen te d esafiada. Humano perdeu a sup erioridade const ruída pela teologia cristã no co smos ea relação dualista entre o céu eo mun do estava solto. Os cientist as na época por exem plo Galileo única consid erado Deus como causa efi ciente principal do mundo físico e privou Deus do tít ulo doutorado em teologia de causa final. Port anto, o poder ea onip otência de Deus foram question ados. Outros cientistas como Bruno por cau sa da influência de ex plorar científica, adotada p rincipalmente uma posição pante ísta como um substituto da visão de mundo dua lista teológica. Enqu anto isso, uma tendência na fi losofia moderna teologia online em ergiu gradualmente a cooperar  c om a ciência para racio nalizar o mundo. Por exemplo,  Desc artes "primeiro fez uso da existência  de Deus.

  para a obj etividade ea realidade do mun do físico e, em seguida, b loqueado Deus em cofre e explicou a  e strutura do mundo em uma visão cient ífica." 13 Quanto ao pr oblema do mundo trans cendental na teologia foi "enforc ado" e tornou-se um "pseudo- pro blema". A metafísi ca panteísta de Spin oza excluiu a exist ência do mundo tra nscendental, que também deu um golpe  mor tal para a cosmov isão teológica dualista. Por outro lado, o empirism o iniciada por Locke desen volvido para Hume  tornou-se um pos itivismo radical de ce ticismo, que, em última ins tância negado substân cia espiritual e da exist ência de necess idade causal e negou  tod as as tentativas dos argume ntos da exi stência de Deus at ravés da razão hu mana e fatos empíricos.
que  oscilado consideravelmente  a  b ase da teologia. Teoria das ant inomias e teol ogia racional cr ítico de Kant sust entou que o mundo tran scendental ou do mundo  num enal, a existênc ia de Deus e da imor talidade da alma não poderia ser provado, consequent emente, a teologia foi e xcluído do conhec imento humano. Metafí sica dialética de Hegel racional istas considerado o processo variac ional do mundo real como a aut o-desdobramento do espír ito absoluto e transform ou a visão de mundo dua lista no idealismo abso luto. A visão de mundo dual ista foi finalmente desca rtado e crenças teoló gicas cristãs foram evanes ced no sistema de Hege l. Assim, a razão venceu  a vantage m sobre fé e da cosmo visão cientif icista ao invés da visão de mundo  dual ista teológico tornou-se a ideo logia dominante da Europa Ociden tal.
A ascensão da ci ência moderna não pod eria começar antes que a vi são de mundo dualista t radicional foi transformado , porque wel tanschauung é o entendim ento   final do mu ndo ou a vida human a de pessoas, que é capaz de predo minar potencialmente a atitude suprem a direção e ati vidades na vida de pensad ores, assi stentes sociais e até m esmo as massas de determ inada região. Ou seja, apen as se a visão teológi cas tradicional foi substituída p or uma nova visão ou seja à bas e de razão. a cos movisão cientificista, a asce nsão da ciência moderna poderia ter a g a rantia final. Em uma palavra, as origen s para 

Nenhum comentário:

Postar um comentário